Que não vos passe ao lado

Começo a achar que o Samuel Úria não sabe fazer senão boa música. Depois de Nem Lhe Tocava, o álbum de estreia, confirmar totalmente a promessa Em Bruto, eis que o músico de Tondela nos traz O Grande Medo do Pequeno Mundo, uma coleção impressionante de quase clássicos instantâneos da música portuguesa. Nem vou pensar muito se se ajusta realmente o “quase” ou não – mas vou mantê-lo como uma cínica defesa contra opiniões futuras, que um tipo nunca sabe o dia de amanhã.

“Forasteiro”, “Espalha Brasas”, “Eu Seguro” (com Márcia), “Em Caso de Fogo” (com Gonçalo Gonçalves) e, claro, a grande “Lenço Enxuto” (com Manel Cruz) são alguns dos argumentos de peso para que ouçam este álbum com toda a força do mundo. Não deixem que isto vos passe ao lado. A sério.

Yo La Tengo na Aula Magna: crónica de um resmungão

O concerto começou às nove e pouco e acabou à meia-noite. Pelo meio, muita boa música e um grande intervalo a separar as músicas calminhas das barulhentas. No palco, os ulmeiros traziam à memória de Ira Kaplan o clássico do terror Pesadelo em Elm Street, resumindo ironicamente (à melhor maneira indie, portanto) aquilo que os Yo La Tengo nos têm dado desde que nos começaram a dar música nos anos 80: uma sopa de referências e inspirações que os tornam únicos no panorama musical das últimas décadas.

Continuar a ler “Yo La Tengo na Aula Magna: crónica de um resmungão”