Skip to content

Ouve-se Posts

EMI ganha acesso ao arquivo da BBC

A EMI assinou recentemente um acordo com a BBC que lhe vai permitir aceder ao extenso arquivo áudio e vídeo da televisão e rádio pública britânica com o objectivo de editar algumas actuações de artistas do seu catálogo. Este acordo permitirá lançar comercialmente algumas obras raras nos formatos habituais (CD, DVD e digital); em troca, a BBC fica com a possibilidade de usar e difundir actuações dos artistas da EMI a nível nacional e internacional com fins comerciais.

Pelo menos, bater o pé

The Ting Tings

Apesar de já andarem por aí desde 2006, os ingleses The Ting Tingslançaram o seu primeiro álbum apenas há um mês. We Started Nothingestreou-se no primeiro lugar do top de vendas do Reino Unido. Aconteceu o mesmo com o excelente single “That’s Not My Name”, que me foi apresentado há uns dias e provocou boa impressão imediata.

5 mil milhões de downloads do iTunes e eu ainda gosto do CD

Parece que o iTunes ultrapassou a barreira dos 5 mil milhões de downloads. Isto significa que, entre 2003 e 2008, a média é de mil milhões de downloads por ano, um número significativo e que tem tendência a aumentar. A estratégia iPod + iTunes da Apple possibilitou que a loja digital passasse rapidamente de uma novidadezinha a um negócio importantíssimo num mercado que continua a encolher.

Ela contou e nós ouvimos atentamente

Uma palavrinha para a Feist, que se portou muito bem no concerto que deu na Aula Magna, o último desta digressão. Dona de uma voz fantástica, passou por muitas das músicas de The Reminder e por umas quantas de Let It Die, entre as quais “Inside Out” e a própria “Let It Die”. Senti falta de “The Park” mas “Past in Present”, uma das minhas favoritas do último álbum (e a que mais se aproxima do trabalho dela com os Broken Social Scene) ajudou a compensar um pouco.

Majors têm de encolher

Bob Dylan box

Hoje em dia, a música – legal ou ilegalmente – está facilmente acessível com duas grandes vantagens para os que a ouvem: mais depressa e de graça (pelo menos a maior parte das vezes). Desvantagens? Só mesmo para a indústria, ou seja, os que ficam com o dinheiro que pagamos pelo disco. Sinceramente, abstenho-me de tomar partido neste assunto: não me junto aos coitadinhas das editoras nem aos libertadores da música livre. Há um modelo de negócio obsoleto outrora muito lucrativo que alguns resistentes tentam manter a todo o custo (leia-se: nos tribunais); por outro lado, já estamos todos habituados ao Mininova, ao Pirate Bay e aos velhinhos eMule e Soulseek… e não há volta a dar.