Skip to content

Vídeos no YouTube: Warner diz não, Universal diz sim

warner_music_group_logo

O Warner Music Group retirou todas as suas músicas do YouTube. Eles andavam em negociações e parece que não se entenderam. O WMG queria – espante-se – ganhar mais dinheiro com o maravilhoso mundo do vídeo online.

Como não chegaram a nada que agradasse às duas partes, ficámos nós sem vídeos de músicas editadas pela Warner Music e detidas pela Warner/Chappell Music. Isto quer dizer, supostamente, que vamos ficar sem poder recorrer a uns quantos vídeos da Madonna e dos Smiths… bem como ao inegavelmente famoso “Parabéns a você”.

Imaginem que acontece o mesmo com as restantes majors. Ficamos praticamente sem vídeos da maior parte dos artistas mais conhecidos. Na prática, voltar-se-á à semi-legalidade dos primeiros tempos do YouTube, claro, mas ainda assim, não deixará de ser um passo atrás.

Felizmente, a coisa até não está a correr mal para todos (provavelmente, também não estará a correr mal para o Warner Music Group, eles é que são garganeiros): a Universal Music garante estar a receber dezenas de milhões de dólares com esta brincadeira. Rio Caraeff, vice-presidente executivo da Universal, diz que isto do YouTube não é só promocional, como acontece com a rádio, mas um negócio por si próprio. Daqueles em que nada se paga ao artista, provavelmente.

As grandes editoras abandonaram definitivamente a promoção. Qualquer dia, os jornais têm de pagar as entrevistas que fazem e as rádios recebem facturas no final do mês pelos discos que recebem. Mas pronto, monetizem à vontade.