A lenda de Bon Iver: 10 anos de For Emma, Forever Ago

bon_iver_for_emma_10

É difícil recuar dez anos e imaginar-me na situação em que estava. Trabalhava há menos de um ano numa agência de comunicação, a minha primeira experiência profissional a sério, e as memórias da faculdade estavam ainda muito presentes. Vivia ainda com os meus pais e a minha avó, em Lisboa. A minha avó ainda era viva. Já eu tinha, ao mesmo tempo, o rei na barriga e todas as inseguranças do mundo. Nunca fui especialmente sonhador ou otimista, mas tinha os olhos postos no futuro e era um tipo feliz.

Continuar a ler “A lenda de Bon Iver: 10 anos de For Emma, Forever Ago”

Coisas que Alex Cameron diz

Alex Cameron

Alex Cameron lançou, em 2017, um dos melhores álbuns pop do ano. Forced Witness é viciante como tudo. Dou por mim a cantar bocados de canções na cozinha, no trabalho e na rua como se precisasse mesmo de o fazer. E se a culpa é sobretudo das melodias orelhudas, as letras levemente perturbadoras escritas e cantadas pelo australiano ajudam claramente a fechar o negócio.

Continuar a ler “Coisas que Alex Cameron diz”

A viagem espiritual de The War On Drugs

The War On Drugs

Só descobri The War On Drugs depois de Lost In The Dream, o álbum que fez de Adam Granduciel uma relutante estrela rock em 2014. Nos temos que correm, é estranho que uma banda assim tenha chegado a estes níveis de sucesso com divagações longas à base de guitarra, ambientes fumarentos e letras pouco inteligíveis. A crítica contribuiu para elevar o estatuto da banda, mas o mérito é todo de Granduciel e companhia.

Continuar a ler “A viagem espiritual de The War On Drugs”

“Lift” e eu

Lembro-me perfeitamente da minha reação quando ouvi “Lift” pela primeira vez. No auge da minha doença com os Radiohead, em 2004, atirei pelo defunto MSN Messenger um “Mas porque é que só agora é que me mostraste isto!?” — ou algo do género. Foi amor à primeira vista.

Continuar a ler ““Lift” e eu”