Skip to content

Categoria: Artistas

A experiência Radiohead

radiohead barcelona

O meu último (pelo menos para já) artigo com exemplos da experiência. Se quiserem dar uma vista de olhos nos restantes:

– a experiência The National

– a experiência Broken Social Scene

Radiohead

Claro, tinha de ser. Os meus favoritos desde… 2004. Sim, demasiado tarde, bem sei. Ainda assim, lembro-me bem de como começou. Um download, uma audição e um reminder. Estava eu no 60 com dois colegas meus de faculdade (ia mostrar-lhes o Castelo de São Jorge) quando um deles começou a cantarolar a “Creep”. Deu-me vontade de ouvi-la. Depois disto, foi uma doença que piorou.

A experiência The National

The National

Há umas semanas falei um pouco sobre a experiência. Na altura prometi exemplos meus. Começo por abordar uma das minhas bandas preferidas (como poderão, de resto, comprovar pelo número de vezes que a referi aqui). É o primeiro de três exemplos.

A experiência [inserir nome da banda]

Há poucas editoras e artistas a pensar na experiência.

Reparem no seguinte cenário:

Na compra de uma edição limitada do último álbum da banda X e de uma t-shirt na loja oficial da banda, o comprador garante, após registo no site, o acesso a um evento restrito em que os elementos da banda falarão do novo álbum, responderão a perguntas da audiência e darão alguns autógrafos.

É uma ideia muito simples de um evento relativamente informal que envolve a banda, a editora, a criação de alguns mecanismos que possibilitem o bom funcionamento da iniciativa e, possivelmente, uma empresa de organização de eventos e uma produtora audiovisual (porque o site, a newsletter, o YouTube e as estações de TV também ajudam a difundir algumas coisas). Existem certamente outras hipóteses que envolvem mais entidades, maior originalidade e melhores resultados para todos, mas esta é só uma espécie de meet and greet com mais conteúdo, maior duração e interesse. A imaginação é o limite.

Alimentar um monstro chamado E

eels-everett

Lembram-se daquela compilação dos Eels de que falei aqui há pouco mais de uma semana? A minha opinião francamente positiva acerca do disco mantém-se e tenho vindo a ganhar algum fascínio pela banda, que é como quem diz pelo seu único membro digno desse nome: Mark Oliver Everett ou E. Vou definitivamente começar a explorar os álbuns de originais e afins, onde não podemos encontrar pérolas como “Get Ur Freak On” ou “Climbing To The Moon” em versão remisturada por Jon Brion.