Skip to content

Vai descer?

“Suspirium”, a primeira amostra da banda sonora que Thom Yorke compôs para Suspiria, está pronta para nos levar por aí abaixo.



Tem sido interessante seguir a carreira de Thom Yorke fora dos Radiohead. O músico tem lançado música de forma relativamente regular, desde o lançamento de The Eraser em 2006, mas nem sempre trouxe algo de particularmente excitante para a mesa.

Talvez tenha a ver com as expectativas geradas em torno de todas as coisas Radiohead. Sobretudo quando se trata de Thom Yorke, o principal criativo da banda. Mas a reação a alguma música lançada a solo e com os Atoms For Peace costuma vir com um asterisco que diz “é bonzinho, mas não é tão bom como os Radiohead”. Eu sei que eu o fiz.

A espaços, foi injusto. Sobretudo olhando para The Eraser, que era um álbum muito bom. Claro que não é Radiohead, mas… estou a fazê-lo outra vez. Vocês percebem.

Perdoar-me-ão se vos disser que fiquei pouco entusiasmado com as notícias de que Thom Yorke se preparava para imitar Jonny Greenwood, a outra grande força criativa dos Radiohead, e entrar no mundo das bandas sonoras. Sou um grande fã da banda e atirar-me-ia à música assim que saísse, mas “entusiasmo” não seria a palavra escolhida por mim.

Entretanto, chegaram os pormenores sobre a banda sonora de Suspiria, o remake – realizado por Luca Guadagnino, que dirigiu Call Me By Your Name – do filme de terror de culto dos anos 70 com o mesmo nome. Chegou também “Suspirium”, a primeira amostra. E bastou-me ouvi-la uma vez para que todo este empreendimento se tornasse mais interessante.

“Suspirium” é uma valsa que assenta completamente na voz de Thom Yorke e no piano para criar um ambiente escuro, deprimente e levemente sufocante, mas também estranhamente atraente. É uma música muito bonita que, a determinada altura, usa a flauta para nos mergulhar bem fundo na tensa tristeza depois de nos perguntar…

Is the darkness ours to take?

Não sei, homem. Já nada sei, excepto que “Suspirium” é uma espiral descendente que me leva invariavelmente de novo ao ponto de partida. Toma lá, M.C. Escher.

Teremos de esperar até 26 de outubro, data de lançamento da banda sonora, pela música de Suspiria. Até lá, no entanto, vamos descendo.