Skip to content

Etiqueta: Cat Power

O Sol nasceu finalmente para Cat Power

Cat Power - Sun

Cruzei-me com a música de Cat Power pela primeira vez em 2006, numa altura em que andava num estado constante de sede de música nova. Sim, para mim, Cat Power era música nova em 2006. Álbuns gigantes como Moon Pix, de 1998, e You Are Free, de 2003, nunca tinham acontecido. A primeira coisa que vi dela foi um álbum cuja capa tinha o rosa choque e o dourado como cores principais: The Greatest. Fiquei rendido à sonoridade blues que, viria a descobrir mais tarde, era coisa recente. Depois descobri “Metal heart”, “Good woman” e o resto. E foi assim que vim parar aqui.

A provocação das 7 canções

Vou fazer uma coisa que não faço habitualmente, que é ceder a este tipo de provocações (há quem lhes chame memes… mas quando me metem ao barulho, transformam-se em provocações). O Gonçalo Trindade, cujo blog sigo há já algum tempo, desafiou-me a escolher as minhas sete canções favoritas de todos os tempos e a desafiar sete pessoas a fazer o mesmo (esta é a parte de que normalmente não gosto porque me recorda aquelas belas correntes…). Aceito, a modos que a custo… mas aceito.

É ao segundo parágrafo que entra o meu disclaimer: amanhã ou depois, este conjunto de sete seria diferente. Mas é música pop… so, who cares?

Vamos tentar fazer isto por ordem… e com uma regra apenas: uma música por banda.

Cat Power: boa mulher no Coliseu

Cat Power

Esperei dois meses por este concerto. Comprei bilhete para um lugar central na primeira plateia, apesar de não ter ficado muito satisfeito com o concerto de Cat Power na Aula Magna, há um ano e meio atrás. Na altura, pareceu-me uma coisa muito pouco profissional e cheia de momentos parados. A Chan Marshall propriamente dita tinha sido o único elemento que tinha evitado o descalabro total daquele concerto. E é ela também que faz com que este texto possa parecer demasiado adjectivado.