Yo La Tengo na Aula Magna: crónica de um resmungão

O concerto começou às nove e pouco e acabou à meia-noite. Pelo meio, muita boa música e um grande intervalo a separar as músicas calminhas das barulhentas. No palco, os ulmeiros traziam à memória de Ira Kaplan o clássico do terror Pesadelo em Elm Street, resumindo ironicamente (à melhor maneira indie, portanto) aquilo que os Yo La Tengo nos têm dado desde que nos começaram a dar música nos anos 80: uma sopa de referências e inspirações que os tornam únicos no panorama musical das últimas décadas.

Continuar a ler “Yo La Tengo na Aula Magna: crónica de um resmungão”

Yo La Tengo não partiram guitarras mas foram excelentes

Confesso que não estava totalmente convencido de que assim seria mas o concerto dos Yo La Tengo na Aula Magna foi excelente. Esquizofrénicos q.b. – passam do pós-punk cheio de feedback à Sonic Youth para a mais leve pop do mundo sem grandes constrangimentos – e dotados de uma energia inesgotável, os Yo La Tengo demonstram porque é que, apesar de nunca terem sido um sucesso comercial, já andam nisto há mais de 25 anos e ninguém lhes pede que parem.

Continuar a ler “Yo La Tengo não partiram guitarras mas foram excelentes”

Yo La Tengo em Portugal

Tenho andado a perder demasiados concertos este ano pelos mais diferentes motivos. A ver se a coisa muda em 2010.

Em Março, os Yo La Tengo vão actuar duas vezes em Portugal: a primeira é no dia 14 na Aula Magna, em Lisboa; a segunda é no dia seguinte na Casa da Música, no Porto.

Na bagagem trarão, até prova em contrário, Popular Songs, o seu mais recente álbum de originais mas também mais de 25 anos de boa música. Disse e volto a dizer que têm um dos melhores guitarristas do mundo, Ira Kaplan.

Os bilhetes custam 23 euros. A ver se compro o meu rapidamente.