Ouve-se

Música, indústria e tendências

Sete anos

Hoje este blog faz sete anos… e já renovei o domínio por mais um ano, pelo que deve chegar ao oitavo aniversário.

O último ano foi, ao mesmo tempo, o melhor e o pior que este blog já teve. O melhor porque houve mais pessoas a lerem o que escrevemos. O pior porque perdemos uma parte significativa do nosso arquivo de artigos há uns meses. Temos vindo a recuperá-los aos poucos mas é quase certo que não vamos conseguir recuperar tudo e, pronto, são sete anos de bons e maus artigos, vale o que vale (e para nós vale muito).

Dito isto, mantemos o desejo de contribuir para que todos possamos compreender a música enquanto elemento fundamental da cultura popular. E mantemos a intenção de o fazer com cuidado, dedicação e qualidade.

Obrigado por lerem, comentarem e partilharem o que por aqui se faz. Gostamos muito de vocês por isso.

Se quiserem aproveitar a efeméride para falarem connosco, enviem-nos emails e assim. E se quiserem escrever para o Ouve-se, vejam o que têm de fazer e tentem a vossa sorte.

Fresh Blood, a lei do menor esforço de Matthew E. White

Slow soul. Para mim, Fresh Blood, o novo álbum de Matthew E. White é isto. De uma ponta à outra.

Continuar a ler

Carrie & Lowell, o álbum de família de Sufjan Stevens

Confesso que não estava à espera de gostar tanto de Carrie & Lowell, o mais recente álbum de Sufjan Stevens.

Continuar a ler

Do que fala The Tallest Man On Earth em Dark Bird Is Home?

O sueco mais americano da folk está de regresso e Kristian Matsson, mais conhecido como The Tallest Man On Earth, parece mais do que confortável no seu papel habitual de trovador moderno em Dark Bird Is Home, o seu novo álbum.

Continuar a ler

Velvet Goldmine: a imagem de uma estrela rock

Todd Haynes começa Velvet Goldmine com Oscar Wilde e ao vermos o filme ouvimos ecos do prefácio de O Retrato De Dorian Gray: “Podemos perdoar um homem que faça uma coisa útil desde que não a admire. A única desculpa para fazer uma coisa inútil é ser objeto de intensa admiração. Toda a arte é perfeitamente inútil.”

Continuar a ler

O Governo que temos

Não sei se já perceberam mas, apesar de ter sido vetada pelo Presidente da República há coisa de um mês e meio, a lei da cópia privada foi aprovada novamente na Assembleia da República na passada sexta-feira.

Continuar a ler

Gustavo

Há meses que ando viciado numa música de Mark Kozelek. Aliás, graças aos últimos cinco anos, Mark Kozelek, Sun Kil Moon e Red House Painters são nomes já gastos nas andanças dos meus vícios musicais. Agora a culpada é provavelmente a canção mais insuspeita de todas: “Gustavo”.

Continuar a ler

Adeus, Grooveshark

O Grooveshark fechou. Não é uma notícia totalmente inesperada, dada a longa batalha judicial entre o conhecido serviço de streaming de música e as principais editoras discográficas, mas não deixa de ser um momento marcante para a indústria.

Continuar a ler

Future Islands: novas músicas e um regresso esperado

2014 foi um grande ano para os Future Islands. Depois de uma inesquecível passagem pelo programa de David Letterman, Singles foi um dos álbuns do ano e “Seasons (Waiting On You)” liderou os tops de músicas de 2014 do Pitchfork, da NME e da Spin. Houve também uma digressão que os levou a novas paragens, entre as quais Lisboa, onde um Musicbox os recebeu em delírio. Nada mal para uma banda que, apesar de três álbuns de inegável qualidade e de muitos quilómetros de estrada percorridos, não tinha causado um grande impacto no mundo musical.

Continuar a ler

Guia para comprar discos em segunda mão online

Se eu recebesse um euro por cada vez que paguei mais do que devia por um disco em segunda mão, não seria suficiente para compensar a diferença entre o que paguei e o que devia ter pago.

Continuar a ler

« Posts mais antigos