Skip to content

Ouve-se Posts

Power trio

Low

São um trio… mas o power não está tão associado aos riffs e aos decibéis como à densidade da música em si. É isso: os Low são densos. Nesta versão de “Murderer” muito fiel à original gravada num programa de rádio americano, eles dão um ar da sua graça.

Bon Iver, o pescador que é fruto do acaso

Bon Iver é fruto do acaso. Naturalmente, não me refiro ao processo de concepção (tenho, de resto, a certeza de que foi um filho planeado e tudo o resto), mas antes à forma como o encontrei.

Ora reparem nas frases seguintes. O início do concerto dos The National na Aula Magna foi marcado pela reprodução de uma música criada e interpretada por outro artista ou banda. A banda entrou em palco e eu esqueci o assunto. Alguém me disse quem era o intérprete uns dias depois mas ficou-se por aí. A música voltou a tocar antes de um concerto da banda no Alive. Era gira. Em Guimarães, foi outra (não tão gira). End of story, supostamente.

Elbow vencem Mercury Prize

Não é uma notícia que supreenda. OK, havia Radiohead, Burial e British Sea Power na lista dos nomeados… mas a escolha não me surpreende. Os Elbow fizeram um óptimo trabalho com The Seldom Seen Kid. Aliás, têm-no feito ao longo de toda a carreira. Curioso é que muito pouca gente pareça reparar nisso fora do Reino Unido.

Cenas de um casamento

Confesso que não fiquei propriamente impressionado com o último álbum dos Death Cab For Cutie quando o ouvi pela primeira vez. De resto, tinha acontecido o mesmo com Plans, o anterior. Mas ao contrário de Plans, que foi lá com o tempo, este Narrow Stairs ainda não me convenceu. Claro que ninguém estava à espera de mais um Transatlanticism… mas esperava-se algo mais do que isto.

A experiência Radiohead

radiohead barcelona

O meu último (pelo menos para já) artigo com exemplos da experiência. Se quiserem dar uma vista de olhos nos restantes:

– a experiência The National

– a experiência Broken Social Scene

Radiohead

Claro, tinha de ser. Os meus favoritos desde… 2004. Sim, demasiado tarde, bem sei. Ainda assim, lembro-me bem de como começou. Um download, uma audição e um reminder. Estava eu no 60 com dois colegas meus de faculdade (ia mostrar-lhes o Castelo de São Jorge) quando um deles começou a cantarolar a “Creep”. Deu-me vontade de ouvi-la. Depois disto, foi uma doença que piorou.